Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Sabedoria Oriental’ Category

Magnified Healing®

“Magnified Healing® é uma técnica de cura maravilhosa que transforma e nos coloca em contato com Kuan Yin, que passa a atuar como uma mãe, cuidando e acolhendo”. (Tania Resende)

O que é Magnified Healing?
Trazida à Terra pela mestra ascencionada Kuan Yin, Magnified Healing utiliza energias vibratórias de quinta dimensão para reorganizar e curar tanto nossos corpos sutis, quanto nosso corpo físico. Apesar de sua aplicação ser simples e rápida, a energia de cura é extremamente forte e muito eficaz.

Como o Magnified Healing atua?
Magnified Healing age em todos os desequilíbrios, sejam físicos, emocionais ou mentais. A energia eleva a vibração das células do corpo e abre caminho para entrada de Luz e Perfeição. Equilibra os chacras, redistribui o cálcio na espinha, queima  o carma negativo e ativa o código genético, preparando o ser para realizar a sua própria retomada de ascensão e maestria.

Quais os benefícios do Magnified Healing?
Através de Magnified Healing é possível modificar as vibrações das células, moléculas e elétrons, que ficam livres para movimentar-se com maior rapidez e sintonizar o fluxo vibratório perfeito.

A energia de Magnified Healing também atua nos genes, ativando códigos perfeitos assim como também as 12 fitas de DNA, além de transmutar códigos negativos. Desta forma, equilibramos também as tendências hereditárias à doenças e padrões negativos e nos prepara para a ascensão, através da construção do nosso corpo de Luz.

 http://animamundhy.com.br/cursos/magnified-healing/magnified-healing

Read Full Post »

 

Contemple esses sábios ensinamentos do livro sagrado do Yoga, A Bhagavad Gita:

Cap. VI estrofe 16: “A união mística com a Divindade não é atingível, porém, para aquele que é comilão, nem para quem jejua demasiadamente, nem para o dorminhoco, nem para quem se debilita por demasiadas vigílias. Quem quer ser yogi, há de evitar os extremos e seguir o dourado caminho do meio.”

Na estrofe 17: “A ciência yogi, que destrói o sofrimento, é realizável para os que observam moderação e temperança em comida e recreio, em ação e descanso; para que aqueles que, fugindo do mal do excesso em ação, não caem no mal oposto do excesso em repressão.”

Antes de alcançar o dourado caminho do meio, geralmente, o ser humano percorre os caminhos dos extremos, e fica perdido e reprimido. Ora vive apenas os prazeres da vida material, se esquecendo da vida espiritual. Ora se reprime, evitando as alegrias saudáveis da vida, pensando que seguir um caminho espiritual é ser sério e rígido.

Yoga gosta de ensinar através de contos, pois é mais fácil assimilar os ensinamentos.

Reflita, então sobre esse conto:

“Era uma vez um jovem que visitou um grande sábio para perguntar-lhe como é que deveria viver para adquirir a sabedoria. O ancião, ao invés de responder, propôs um desafio:

– Vou encher uma colher de azeite e você vai percorrer todos os cantos deste lugar, mas não deixe derramar uma gota sequer. Após ter concordado, o jovem saiu com a colher na mão andando com passos pequenos, olhando fixamente para ela e segurando-a com muita firmeza. Ao voltar, orgulhoso por ter conseguido cumprir a tarefa, mostrou a colher ao ancião, que perguntou:

– Você viu as belíssimas árvores que havia no caminho? Sentiu os aromas das flores maravilhosas do jardim? Escutou o canto dos pássaros:
Sem entender muito o porquê disso tudo, o jovem respondeu que não, e o ancião disse:

– Assim você nunca encontrará sabedoria na vida; vivendo apenas para cumprir suas obrigações sem usufruir das maravilhas do mundo. Assim nunca será sábio.
Em seguida, pediu para o jovem repetir a tarefa, mas desta vez observando tudo pelo caminho. E lá foi o rapaz com a colher na mão, olhando e se encantando com tudo. Esqueceu da colher e passou a observar as árvores, cheirar as flores e ouvir os pássaros. Ao voltar, o ancião perguntou se ele viu tudo e o jovem extasiado disse que sim. O velho sábio pediu para ver a colher e o jovem percebeu que tinha derramado todo o conteúdo pelo caminho.
E o ancião disse:

– Assim você nunca encontrará sabedoria na vida, vivendo para as alegrias do mundo sem cumprir suas obrigações. Assim nunca será sábio.
Para alcançar a sabedoria, terá que cumprir suas obrigações sem perder a alegria de viver. Somente assim conhecerá a verdadeira sabedoria.”

Contemple como tem sido sua atitude perante à vida:

Você é perfeccionista?

Está sempre se julgando, se cobrando e também julgando e criticando os outros?

Você está sempre ocupado, preocupado com o trabalho, sem achar um tempo para seu lazer?

Vive apressado, ansioso, com muitas tarefas?

Ou você priorizou seu tempo para dar uma caminhada, para praticar hatha yoga, para relaxar, para praticar um exercício físico saudável?

Quando você caminha na rua, você percebe a beleza das árvores, a arquitetura bonita das casas e edifícios? Ou está sempre voltado para si mesmo, egoisticamente pensando apenas em seus problemas?

Você leva suas preocupações do trabalho para casa, ou consegue separar os vários momentos de sua vida?

Sabe equilibrar seus deveres e lazer?

Vive apenas voltado para a vida mundana, para atividades fúteis, esquecendo de suas obrigações?

Pensa apenas nos prazeres dos sentidos e deixa que eles o dominem com vícios prejudiciais?

Ou tem o autodomínio de escolher os prazeres benéficos, vivendo com moderação sem vícios?

Praticar a Contemplação (Dharana, em sânscrito) é uma maneira de se autoconhecer, de perceber seus erros e corrigi-los, sem se culpar. É uma maneira também de reconhecer suas qualidades e se valorizar.

É muito importante entender o paradoxo do Yoga e vivenciá-lo em sua vida:

Ser responsável e ter a leveza de espírito.
Ser firme e flexível.
Ter disciplina e determinação, com alegria e entusiasmo.
Ser forte como um aço e ao mesmo tempo suave como a manteiga.
Equilibrar a vida material e a vida espiritual.

Procure aplicar esses ensinamentos em sua vida e alcance o dourado caminho do meio. Fique em paz! Namastê! Deus em mim saúda Deus em você!

por Emilce Shrividya Starling

http://www2.uol.com.br/vyaestelar/caminho_do_meio.htm

Read Full Post »

TÉCNICAS DE RESPIRAÇÃO

Técnica 1 – Bhramari:

Tome uma inspiração profunda, exale todo o ar dos pulmões, concentrando em contrair os músculos abdominais para expeli-lo todo. Inale através do nariz fazendo um som de zunido, como uma abelha. Retenha por alguns segundos, enquanto se sentir confortável (trabalhe para que possa se sentir confortável com períodos cada vez mais extensos de retenção do ar), concentrando em armazenar a energia vital do ar no plexo solar (Chakra Manipura, que significa literalmente ‘centro da jóia da grande consciência’), separando assim a energia vital do ar. Então exale, através do nariz, fazendo um som de zumbido (esta característica do zumbido é feita pela passagem do ar pelas cordas vocais, muito simples de ser executado). Focalize sua mente nos sons durante a inalação e exalação e na força vital sendo armazenada no plexo solar durante a retenção. Cada inspiração – retenção – exalação conta com um ciclo. Comece inicialmente com 5 ciclos, aumentando o número quando dominar a respiração ‘Bhramari’ e ela se tornar natural para você.

Técnica 2 – Respiração Completa:

As maiorias das pessoas respiram rasamente, e mesmo aqueles que trazem a respiração conscientemente pelo abdômen podem estar deixando algum detalhe de fora.

Inicialmente exale todo o ar, usando o abdômen para auxiliá-lo. Inale profundamente, puxando o ar pela expansão do abdômen. Continue inalando até preencher de ar todo o pulmão superior e a região da garganta. Mantenha o rosto relaxado. Retenha por alguns segundos, ainda com o rosto relaxado. Exale lentamente, primeiro o ar da parte inferior, depois superior dos pulmões e finalmente o ar que estiver na região da garganta. Contraia o abdômen até forçar todo o ar para fora. Trabalhe para aumentar o tempo de cada fase de inspiração – retenção – expiração, sempre que o tempo do ciclo em exercício seja alcançado de forma natural e não forçada.

Não conte o tempo com um relógio, permita que seu corpo seja o relógio! A proporção da inspiração – retenção – expiração na respiração completa deve ser de 1:1:1.

Técnica 3 – Respiração Vital:

Muito simples de ser praticada. Energiza e fortalece os pulmões. Inspire pelas narinas em movimentos curtos e rápidos, até os pulmões estarem complemente cheios.

Exale o ar pela boca, enquanto emite um alto som ‘AAAAAHHH’.
Mantenha o foco em trazer o prana energizado para dentro durante a inspiração e para mandar para fora toda a tensão do corpo, durante a exalação.

Técnica 4 – Kapalabhathi:

Também é fácil de ser dominada. Dentre outras variações, uma das mais simples é a seguinte:
Sente na posição de Lótus, ou com as pernas cruzadas e as costas e pescoço eretos. Inale e mantendo a boca fechada, espirre. Com a boca fechada, a parte inferior do abdômen irá inchar.

Retorne-a imediatamente a posição inicial. Comece com ciclos de dez a quinze e gradualmente suba até ciclos de 50 respirações, naturalmente e sem forçar. Você não deverá sentir nada na parte superior dos pulmões ou na área da garganta. Pode ser usada com grande benefícios por fumantes e asmáticos. A atenção deve ser focada na área do plexo solar. Após um ciclo completo, permanece quieto e observe as mudanças físicas e mentais em si mesmo.

Técnica 5 – PRANA-VAYU RASA:

Também chamada de ciclo vigoroso. Um ciclo de respiração restauradora. Deve ser executada de pé, com olhos fechados ou voltados para cima, com atenção focada no região do terceiro olho (chakra Ajna), localizada no meio da testa.

  1. Inale, prenda o ar nos pulmões. Cruze os braços duas vezes para trás e para frente, vigorosamente. Exale.
  2. Inale. Cruze os braços à frente, com antebraços estendidos perpendicularmente ao corpo. Balance-os lateralmente para a esquerda e direita, duas vezes, na altura natural dos ombros. Exale e deixe os braços caírem.
  3. Inale. Balance os braços paralelamente ao corpo, para cima e para baixo duas vezes de forma a ultrapassarem levemente o limite das costas. Exale e deixe os braços caírem.
  4. Inale. Retenha o fôlego novamente. Estique vagarosamente os braços para frente. Segure com as mãos no punho e volte os braços até tocar no peito. Sacuda o corpo inteiro. Exale enquanto deixa os braços caírem.
  5. Inale. Balance os braços sobre a cabeça e dobre o corpo para a direita a partir da cintura, sem dobrar o peito. Concentre nas partes que estão sendo alongadas. Exale enquanto volta à posição normal. Repita a operação para a esquerda.
  6. Inale. Segure o fôlego e massageie as costelas. Exale.
  7. Inale. Segure o fôlego, bata com as mãos fechadas nos músculos peitorais. Exale.
    Nota: A idéia de recarregar prana é liberar força vital individual (Atman) e uni-la com a força vital universal (Brahman).

 

Técnica 6 – PRANA-SUKHA / Respiração curativa:

Literalmente, “respiração da alegria, força vital alegrante”. Esta respiração é a mais simples extensão do prana a um ritmo. O praticante deve conscientemente alterar o tempo desprendido em cada parte dos ciclos de respiração. O ritmo do Prana Sukha é dito ser perfeito para extração de força vital da atmosfera. A razão da inspiração – retenção – expiração deve ser de 1:4:2.

A inalação estabelece pela razão exposta o tempo das fases de retenção e exalação de cada ciclo, ou seja, retêm-se o ar por um tempo quatro vezes maior que gasto na inalação e expele-se o ar no tempo duas vezes maior que o da inalação.

Deve-se iniciar com inalações quase similares as da respiração involuntária e ir aumentando o tempo, sempre respeitando que o exercício deve ser confortável e não forçado.

IMPORTANTE: não conte mentalmente ou verbalmente os tamanhos das fases para estabelecer o ritmo. Contagem é um processo lógico que interfere com a prática abstrata da medicação. Meça o ritmo focando a mente nos ruídos da inspiração e expiração durante a respiração e se necessário pelas batidas do coração durante a retenção. Ter um ritmo pela audição é ideal e ajuda a unir corpo e mente. O Gheranda Samhita sugere: “Ao entrar, a inspiração faz o som ‘SOH’ e ao sair o som ‘HAM’. Assim a respiração profere a palavra de poder ‘SOHAM’ (ou EU SOU). O som sutil reverbera no chakra da raiz, do coração e do terceiro olho. O Yogi deverá perfazer esta repetição conscientemente”.

Outro processo de medida do ritmo é pela concentração no mantra AUM, ou qualquer outro de preferência do praticante, que deve sentir o ritmo a cada mantra.

Técnica 7:

Sente-se ereto na posição de lótus ou com a pernas cruzadas. Costas e cabeças eretos. O ritmo da respiração/retenção/expiração pode ser 1/1/1 ou 1/4/2, como na respiração de cura ensinada anteriormente.

  1. Pegue a mão direita, dedos indicador e médios dobrados até a palma da mão.
  2. Coloque a mão sobre o nariz. Exale.
  3. Feche a narina direita com o polegar direito. Inale pela narina esquerda, focando mentalmente no fluxo do ar e na energia vital entrando.
  4. Use o polegar e o dedo anelar para fechar ambas as narinas. Retenha.
  5. Solte o polegar e expire pela narina direita, mantendo a narina esquerda fechada pelo dedo anelar.
  6. Inale pela narina direita, focando a mente como anteriormente.
  7. Feche ambas as narinas e retenha.
  8. Exale pela narina esquerda, soltando o dedo anelar.
    Isto constitui um ciclo completo da respiração Solar/Lunar. Comece com 5 a 10 repetições por ciclo, trabalhando para aumentar gradualmente as repetições por ciclo, mas sem forçar ao nível do desconforto.

Técnica 8 – Respiração Abdominal

  1. Deite-se de costas com os joelhos flexionados e os pés apoiados no chão.
  2. Esvazie completamente os pulmões e comece a inspirar levando o ar para o abdômen, projetando-o para cima.
  3. O peito permanece vazio, sem se mover. Faça uma pequena pausa com os pulmões cheios.
  4. Agora, esvazie os pulmões puxando o abdômen para dentro.
    Quando você se sentir mais tranqüilo, expanda sua respiração deixando que o ar entre suavemente na região das costelas e peito.
Essa respiração vai oxigenar o cérebro, tranquilizar emoções e pensamentos e, quando praticada à noite, auxilia a dormir com mais facilidade e descansar mais durante o sono.

Técnica 9 – Inspiração Alternada

  1. Com o dedo médio da mão direita obstrua a narina direita.
  2. Inspire lenta e profundamente pela narina esquerda.
  3. Solte o ar pelas duas narinas.
  4. Obstrua a narina esquerda e inspire pela direita.
  5. Solte o ar por ambas as narinas.
  6. Repita todo o processo várias vezes e termine após inspirar pela narina direita.

Este exercício ativa cada um dos hemisférios cerebrais, sincronizando-os. Use esta respiração quando sentir que seus pensamentos estão confusos ou quando a mente estiver muito agitada.

Técnica 10 – Respiração Longa e Profunda

Esta respiração é ensinada primeiro porque com ela você pode tomar consciência da distenção e contração do diafragma, e depois a respiração do fogo pode se tornar mais natural.

Sentando-se com as pernas cruzadas na respiração longa e profunda você preenche primeiro a área abdominal inalando o ar para baixo, pressionando o ar acada vez mais para as áreas mais baixas.

Arqueando o seu corpo um pouco para frente, com as mãos sobre os joelhos, com os braços estirados pressionando as palmas para dentro contra os joelhos. A cavidade do peito se abrirá para frente para que você possa por alguma pressão em seus pulmões, não só na área abdominal como também preencher a parte superior na área do peito e, finalmente, por causa do arco na coluna, a parte superior de seus pulmões serão inflados sem que você tenha a necessiadade de abrir a caixa toráxica ou elevar os seus ombros.

Com os pulmões cheios, prenda a respiração e pressione seus ombros para trás para expandir o peito para fora para que a pressão total do diafragma seja sentida. E depois contraia todo o diafragma da parte superior do peito para o abdômen espremendo o ar para fora.

Respirando desta maneira pelas narinas por várias respirações, o fluxo da consciência da energia (prana) pelo diafragma pode ser sentido pressionando para baixo e distendendo o ar para a região inferior dos pulmões, onde a maior parte do sangue circula, e então enchendo para cima a parte do peito e das costas para a frente e para a parte superior dos pulmões.

A pressão nos pulmões em todas as áreas também gera energia em todas as terminações nervosas, e assim, todo o corpo é afetado tanto com a respiração quanto com a pressão dos nervos.

Quando a Respiração longa e profunda é feita desta maneira, o foco nos músculos do abdômen, peito e ombros envolvidos na respiração começa a retroceder uqando o movimento de fole do diafragma é sentido.

 

Técnica 11 – Respiração do Fogo (Agni-Prasana)

Uma respiração de limpeza e energização movida pelas contrações abdominais

Depois que o diafragma é sentido na respiração longa e profunda, existem duas maneiras de se obter a Respiração do Fogo, onde o ar é inspirado e bombeado para fora com rítmo, como um fole sem que qualquer tensão seja sentida nos músculos abdominais, peito e músculos da caixa toráxica ou ombros que permanecem relaxados durante a respiração para que você consiga continuar no rítmo indefnidamente sem qualquer esforço.

Um modo bom para se começar a Respiração do Fogo é pela Respiração Longa e Profunda; e logo que os seus pulmões estão cheios e completamente extendidos, como descrito acima, para expulsar o ar imediatamente e assim que o ar estiver completamente fora, imediatamente expanda os seus pulmões novamente enchendo-os plenamente. E a cada vez, arqueando a sua coluna para frente e pressionando as palmas das mãos para dentro nos joelhos para que você sinta suavemente o diafragma enchendo os seus pulmões das costas para a frente, e depois, contraindo novamente.

A cada respiração você expande um pouco mais ráido e contrai um pouco mais rápido até, sem expandir ou contrair completamente, você sente um rítmo se estabelecendo e se firmando. Quando você pega este rítmo, você logo perceberá que ele se estabelece e você simplesmente “é respirado”, i.e., a coisa acontece naturalmente sem qualquer esforço.

A Respiração do Fogo ‘carregará ‘por completo todo o seu sistema nervoso, forçando as glândulas a secretarem e a purificar o seu sangue. E quando isto é feito juntamente com determinadas posturas e movimentos que colocarão contrações (pressões) ou expanções ( liberação) nos plexos neurais e centros glandulares; o fogo terá sido produzido nestas áreas e você estará completamente carregado.

Quando uma área se torna carregada, o flúido seminal é liberado na corrente sanguínea e flui para aquelas áreas para que elas , gradualmente, mantenham aquela carga e a pressão prânica levando-a para todo o corpo convertendo Bindu (energia Rajastica) em Ojas (energia Satívica), que enche e permeia todo o seu corpo e mente.

Gradativamente, em poucas semanas todo o seu corpo se torna equilibrado com uma força dinâmica interna. E à medida que esta carga é construída e polarizada, a mente se torna firme, límpida e brilhante criando uma sensação de ‘radiação sentida dentro, em volta e por todo o seu corpo e cabeça. Sua mente se torna mais receptiva e aberta para você notar uma conecção automática entre seus objetivos e experiências e a plena satisfação delas. Um sentimento de Unicidade e completude começará a emergir como uma realidade cada vez mais clara e presente.

Aos poucos também, as tendências da mente em relação ao físico e ao mental começarão a desaparecer e você hospeda em sua presença satívica ( sem a noção egóica do “eu” ou “meu”) o Coração Radiante Auto-Emanador, onde o “EU SOU” é a Verdad simples. e única.

A prática da Kundalini Yoga com a consciência natural e rítmica do diafrágmanas Respirações Longa e Profunda e Respiração do Fogo permite que as posturas e Kriyas façam os msiores e mais completos efeitos para trazer o campo satívico a um ponto onde o Self reflete a Si-mesmo e se hospeda naturalmente em sua Natureza Verdadeira – Sat Nam.

 

Técnica 12 – Respiração Completa

A respiração começa a ser treinada tornando-se mais lenta e regular, proporcionando um inspirar e expirar mais longo e profundo. Veja os três tipos de respiração:
– ABDOMINAL (baixa)
– INTERCOSTAL (média)
– SUBCLAVICULAR (alta)

Controlando os três tipos de respiração, obteremos uma respiração total e completa. Cabe a nós obtermos o melhor para o nosso organismo.

Respiração Baixa:
Para nos educarmos numa respiração abdominal correta, vamos sentir que na medida em que o ar entra em nossos pulmões nosso abdômen se dilata e o ar vai preencher, assim, a parte baixa do tórax. Coloquemos uma das mãos sobre o abdômen para sentirmos melhor o movimento. Procuremos fazer este exercício evitando qualquer movimento torácico superior. Dominemos inspirando e lançando a parte abdominal para fora e, ao expirar, parte abdominal para dentro.

Respiração Média:
Procure dominar a respiração média dilatando as costelas ao inspirar. Coloque as mãos dos lados das costelas, com os dedos voltados para frente, de forma que quando os pulmões estiverem vazios os dedos quase se toquem na frente e quando cheios, afastam-se, pois as mãos são empurradas pelas costelas que se dilatam lateralmente. Sem movimentar a parte baixa do abdômen, ao inspirar, as costelas devem se afastar empurrando as mãos cujos dedos se distanciam. Isso servirá para medirmos nossa capacidade pulmonar. Cuide para que durante o exercício respiratório não esteja fazendo movimento nem com o abdômen nem com o alto do tórax.

Respiração Superior:
A respiração alta é, sem duvida, a pior forma de respirar que se conhece e exige maiores dispêndios de energia com menor soma de proveito. É muito freqüente nas mulheres porem, em ambos os sexos sempre que há contrações mais ou menos inconscientes dos músculos abdominais como conseqüência de estados de tensão, angustia, etc. Domina-se dilatando a parte alta dos pulmões.

Respiração Completa:
Inspire dilatando o abdômen, continue a mesma inspiração no mesmo ritmo e dilate a parte media afastando as costelas. Continue a mesma inspiração e dilate agora a pane alta dos pulmões. Retenha um pouco Expire de forma inversa, solte o ar da parte alta, depois da parte média e por fim da parte baixa do tórax.

 

Fonte:http://equilibrio.conhecendo.com.br/tecresp.htm

Read Full Post »

Tempos atras em um distante e pequeno vilarejo, havia um lugar conhecido como a casa dos 1000 espelhos. Um pequeno e feliz cãozinho soube deste lugar e decidiu visitar. Lá chegando, saltitou feliz escada acima até a entrada da casa. Olhou através da porta de entrada com suas orelhinhas bem levantadas e a cauda balançando tão rapidamente quanto podia. Para sua grande surpresa, deparou-se com outros 1000 pequenos e felizes cãezinhos, todos com suas caudas balançando tão rapidamente quanto a dele. Abriu um enorme sorriso, e foi correspondido com 1000 enormes sorrisos.

Quando saiu da casa, pensou,

– Que lugar maravilhoso! Voltarei sempre, um montão de vezes.

Neste mesmo vilarejo, um outro pequeno cãozinho, que não era tão feliz quanto o primeiro, decidiu visitar a casa. Escalou lentamente as escadas e olhou através da porta. Quando viu 1000 olhares hostis de cães que lhe olhavam fixamente, rosnou e mostrou os dentes e ficou horrorizado ao ver 1000 cães rosnando e mostrando os dentes para ele.

Quando saiu, ele pensou,

– Que lugar horrível, nunca mais volto aqui.

Todos os rostos no mundo são espelhos

Read Full Post »

SHANTALA

“Nos bebês, a pele transcende a tudo. É ela o primeiro sentido. É ela que sabe… Ah, sim,
é preciso dar atenção a pele, nutri-la com amor…” F. Leboyer
Que os bebês não falam já sabemos, vai demorar um pouco para que a comunicação com eles se torne
verbal, no entanto, hoje sabemos que antes de “vir à luz”, ele já percebe a claridade, escura, fica acordado,
dorme, sonha e tem sensações; e se tem sensações há comunicação, então, porque não estabelecer
comunicação através do toque.
O contato entre mãe e filho desde o inicio da gravidez fortalece a relação. Quanto mais forte for o vínculo,
mais seguro o filho será, soltando-se mais no mundo, lidará melhor com suas próprias dificuldades.
Durante toda a gravidez o bebê acompanha todos os movimentos da mãe – andar, dançar, brigar, gritar,
etc., os momentos bons e ruins são sempre acompanhados pela criança desde o encontro entre óvulo e
espermatozóide ( considerando que para algumas pessoas a vida já começa nesse primeiro encontro),
portanto solidão não existe, a vida é pleno movimento, é estar aqui e ali.
“Nutrir a criança
Sim.
Mas não só com leite.
É preciso pagá-la no colo.
É preciso acaricia-la, embala-la.
É preciso massageá-la.
A pele do bebê é seu primeiro órgão dos sentidos, é seu contato com o mundo, é a sensação, é a
comunicação. A pele transcende a tudo, por isso é preciso toca-la, é preciso alimenta-la para que atravesse
a solidão dos primeiros meses de vida, não basta o leite, sem o toque, sem o carinho, mesmo com muito
leite, ele poderá morrer de fome, de abandono, ela poderá definhar.
“É por meio do contato corporal com a mãe, que a criança faz seu primeiro contato com o mundo, através
deste, passa a participar de uma nova dimensão da experiência, a do mundo do outro. É este contato
corporal com o outro que fornece a fonte essencial de conforto, segurança, calor e crescente aptidão para
novas experiências…, é preciso tocar”. (Montagu).
A criança privada de toque (sensação tátil), mais tarde poderá vir a ser um indivíduo desajustado nas suas
relações com o outro, tanto física quanto psíquica. Lidar com o mundo, com situações boas ou ruins, requer
recurso interno e talvez a forma mais adequada é iniciar a relação com o mundo através do toque.
Tocar é troca entre mãe e filho, os benefícios são mútuos – É dando que se recebe.
A ansiedade materna é diminuída, contribuindo dessa forma com o desenvolvimento tranqüilo do filho.
Tocar também é saúde.
Em países com Nigéria, Uganda e Índia, a massagem é prática diária e milenar, passada de mãe para filha.
Na Rússia, cientistas chegaram à conclusão de que a massagem traz ao bebê um maior desenvolvimento do
sistema nervoso central e conseqüentemente do potencial motor existente, portanto a massagem – o toque,
prepara a criança para aquisição de algumas habilidades motoras que lhe darão a condição de engatinhar,
isto porque a massagem fortalecerá determinados músculos destinados ao movimento de andar, a
massagem é usada também em fisioterapia com grande sucesso.
Funções da pele:
Tecida de uma variedade de células resistentes e robustas, a pele protege os tecidos macios e moles do
interior do corpo. Como as fronteiras de uma civilização, a pele é um local em que se travam escaramuças,
e em que invasores encontram a resistência, aí se localiza nossa primeira e última linha de defesa.
– Base de receptores sensoriais, localização do mais delicado de todos os sentidos – o TATO;
– Fonte organizadora e processadora de informações;
– Mediador de sensações;
– Barreira entre organismo e ambiente externo;
– Fonte imunológica de hormônios para diferenciação de células protetoras;
– Barreira contra materiais tóxicos e organismos estranhos;
– Reguladora de temperatura;
– Autopurificadora, etc.
Os bebês tocados e massageados têm como benefícios:
Psíquicos:
– Fortalecimento do vínculo;
– Integração Psicofísica (corpo-mente);
– Delimita espaço interno (limites do EU);
– Auto conhecimento;
– Realidade objetiva ( o outro)
– Mais afetividade;
– Melhora ansiedade;
– Ausência de solidão;
– Livre fluxo de energia.
Físicos:
– Maior agilidade e flexibilidade do corpo;
– A pele é tonificada e reforçada;
– A capacidade de percepção tátil é aumentada e o tônus revigorado
– A digestão e circulação são melhoradas;
– As cólicas poderão ser eliminadas;
– O crescimento do bebê é estimulado;
– O sono é mais tranqüilo;
– Menos choro;
– Melhora o desenvolvimento motor;
– Mães mais tranquilas – A massagem é um momento de troca entre mãe e filho.
Bebês agitados e com certas dificuldades motoras podem ser beneficiados com o toque.
Hoje, em países como Estados Unidos e Austrália a massagem – toque vem sendo muito praticada em
maternidades e hospitais, com resultados positivos.
O tocar – massagem também beneficiam casos especiais:
– Bebês com deficiência visual ou auditiva – através do toque percebe a si mesmo
(reconhecendo o EU-TU ) , sentindo-se mais valorizado e amado,portanto: seguro.
– Bebês adotados – aproximação e segurança nesse novo momento, pais e filhos precisam
estabelecer vínculo.
– Bebês que choram muito quando é pego no colo.
– Desmame repentino.
– Desmame difícil.
– Durante a dentição.
– Bebês que ficaram internados por longos períodos, inclusive bebês prematuros são
beneficiados com o contato corporal com a mãe, ganhando peso em menos tempo.
Hoje, com a psicossomática acredita-se que muitas doenças são desencadeadas também pelo fator
psicológico, isto é, a doença vem de dentro pra fora – mente –corpo; aqui, com o tocar faremos o caminho
contrário corpo-mente, tratamos o corpo e a mente será beneficiada.
“Desde os primeiros dias de vida,
Não muito tempo depois daquela primeira vez
Em que, ainda bebê, na interação do toque,
Mantinha silenciosos diálogos com o coração de minha mãe,
Tentei mostrar os meios
Pelos quais esta sensibilidade infantil,
Inalienável direito de nascimento de nosso ser,
Em mim era
Magnificada e mantida.”
William Wordsworth.
Passos da Massagem
Frente:
1 – Peito – massagear para fora com as duas mãos, coloque mão direita sobre o quadril (esquerdo) e vá
deslizando até o ombro direito. Repetir do outro lado.
2 – Braço – Segurar com uma mão o braço e deslizar do ombro ao pulso com a outra, agora deslizar com as
duas mãos, fazer movimentos de torção suave com as duas mãos ( somente a sua mão gira, o braço não
será movimentado). Massagear o pulso com as duas mãos. Repetir do outro lado.
3 – Mãos – Massagear com o seu polegar a palma da mão até a ponta dos dedos. Repetir do outro lado.
4 – Barriga – Faça pressão com as mãos (alternadamente como uma onda), segure os pés do bebê um
pouco elevados e massageie a barriga com o antebraço ( como se estivesse abrindo massa).
5 – Pernas – Segure a perna com uma mão e deslize com a outra até o tornozelo,massageie o tornozelo,
agora faça movimentos de torção ( como foi feito nos braços). Repetir do outro lado.
6 – Pés – Com o polegar massagei a planta do pé, do calcanhar até a ponta dos dedos. Repetir do outro
lado.
Costas:
1 – Massageie as costas do bebê como um vai e vem alternado – da nuca até as nádegas e das nádegas até
a nuca.
2 – Com a mão direita sustente as nádegas e a outra desliza da nuca até as nádegas.
3 – Com a mão direita segure os pés esticando as pernas e deixando-as ligeiramente elevadas e com a mão
esquerda deslize da nuca até os calcanhares.
Rosto:
1 – Olhos – contorne os olhos com as pontas dos dedos partindo do centro da testa para as laterais.
2 – Nariz – Com os polegares massageie as laterais do nariz até as narinas.
3 – Rosto todo – Com os polegares, feche suavemente os olhos do bebê e parta do centro da sobrancelha,
passando pelos olhos, lateral das narinas, contornando a boca, acompanhando o maxilar até as orelhas.
Final:
1 – Braços – Segure as mãos do bebê e cruze os bracinhos sobre o peito, abrindo e fechando alternando a
posição dos braços.
2 – Pernas – Segure ao mesmo tempo pé direito e mão esquerda do bebê, cruze de forma que mão e pé se
cruzem ( sem colocar força) . Faça o mesmo movimento do outro lado ( pé esquerdo e mão direita).
3 – Perninha de Buda – Segure os dois pés e cruze as perninhas abrindo e fechando, alternando as posições.

Read Full Post »

As crianças não só podem como precisam fazer  relaxamento. Assim como os adultos, as crianças também vivenciam situações diárias de stress e ansiedade e portanto também se beneficiam com a técnica de relaxamento.
O relaxamento infantil pode ser usado por qualquer criança. Crianças agitadas, hiperativas, ansiosas, irritáveis e com sintomas de stress infantil, poderão sentir-se bem melhor após o exercício.
Além disso a prática de relaxar contribui para que a criança, desde cedo, se familiarize com seus sentimentos e emoções, deixando a criança mais centrada em suas sensações.
No início, a criança precisa de auxílio para aprender a relaxar, principalmente as crianças menores. Por isso, é importante, que os pais estejam presentes e encorajem os filhos a aprender. Em princípio, assim como o adulto, a criança pode apresentar alguma dificuldade para se concentrar e conseqüentemente relaxar, mas aos poucos, o relaxamento vai se tornando uma brincadeira divertida e um hábito prazeroso.
Ensinar a nossa criança a meditar significa basicamente ajudá-la a ligar-se com o seu eu interior, incluíndo a sua imaginação e a verdadeira essência do seu ser. Embora para muitos, meditação seja significado de estar muito quieto, de pernas cruzadas e olhos fechados, não tem de significar o mesmo para as nossas crianças. De facto, pode significar simplesmente dar-lhes tempo para serem criativas, para praticarem a atenção e estarem livres de preocupações. É fácil de ensinar e pode também beneficiar muitos pais que se envolvam nesta prática com elas. Ter tempo para relaxar pode, no mínimo, reduzir a ansiedade e aumentar a capacidade de resolução de problemas. Por vezes, o simples facto de focar a atenção numa tarefa diferente permite que surjam ideias novas e frescas. A meditação pode ainda ajudar uma criança zangada ou frustrada a acalmar-se e a repensar uma situação.
O primeiro passo para ensinar as crianças a relaxar e meditar, consiste em fazer com que elas se sentem ou deitem numa posição e local confortáveis. De seguida, peça que respirem fundo uma ou duas vezes e deixem que os seus olhos se fechem, se assim quiserem (Se estiver fora de casa e a sua criança estiver muito irrequieta, fazer com que ela se concentre na sua respiração pode ser o suficiente para a acalmar um pouco.) Depois, existe uma variedade de técnicas diferentes que podem ser úteis na indução de um relaxamento. Crianças mais velhas podem simplesmente querer tempo para descansar um pouco ou pensar em privado. Para outras crianças, continuar com mais algumas respirações profundas pode ser o suficiente. Aqui estão algumas outras sugestões para incorporar alguns momentos calmos, meditativos na vida da sua criança.
1. Use imagens mentais
Faça com que a sua criança imagine que é molinha como uma boneca de trapos, com cada parte do seu corpo (braços, pernas, cabeça…) a sentir-se cada vez mais como gelatina. Ou então peça-lhe que imagine as ondas numa piscina ou no mar. Peça-lhe que permita que o seu corpo sinta a água suave nos seus braços e pernas e, por fim, passar através destes. Talvez possam gostar duma visita amigável de um golfinho, uma estrelinha do mar ou alguns peixes tropicais coloridos. Peça-lhe que imagine uma conversa em que as criaturas usam palavras relaxantes e talvez até lhe tragam uma mensagem especial. Deixe que a criança escolha a cor da água, da areia e dos peixes. A imaginação, não a realidade, é a chave nesta situação.
Existem muitos lugares diferentes para onde os seus pensamentos a podem levar (talvez ao parque ou ao seu passeio favorito). Por vezes, pode querer falar antes e ver onde a sua criança quer ir mentalmente, outras vezes pode deixar à vontade dela. Se a ideia da sua criança é imaginar uma caça ao tesouro ou uma festa de aniversário, também pode ser. Os pensamentos podem ser aventureiros e empolgantes, não têm de ser sempre algo calmo. A intenção é apenas fazer com que ela crie um espaço seguro de ambiente alegre onde possa se refugiar.
2. Use afirmações positivas
Você e a sua criança podem fazer uma lista de pensamentos e frases positivas que ela possa repetir para si própria quando em meditação. Outra opção é gravar numa cassete um de vocês a dizer estas frases para ela poder ouvir durante um período de relaxamento. Deixar que a sua criança apenas ouça estas frases positivas pode ser muito reconfortante e motivador.
tradução livre de PageWise.com por Sofia Morgado

Read Full Post »


A Cromoterapia é uma ciência que usa a cor para estabelecer o equilíbrio e a harmonia do corpo, da mente e das emoções.

Vem sendo utilizada pelo homem desde as antigas civilizações, como no Egito antigo, nos templos de luz e cor de Heliópolis, como também na India, na Grecia, na China, onde suas aplicações terapêuticas foram comprovadas através da experimentação constante e verificação de resultados.
Atualmente há estudos onde se determina qual a cor mais adequada para ambientes de estudo, ou de trabalho, ou hospitais,etc. Até nas propagandas o uso de cores é estudado, dependendo do objetivo a que se quer chegar, o público alvo e o produto que está sendo trabalhado.
A Cromoterapia é baseada nas sete cores do espectro solar e cada cor tem uma vibração específica, atuando desde o nível físico até os mais sutis.
Querer catalogar, classificar as cores, é limitar o poder da luz. Cada cor tem uma infinidade de aplicações, pois elas são utilizadas conjugadas a outras energias que estão além dos sentidos, em outras dimensões. Por isso, eventualmente, pode-se usar determinada cor conseguindo-se determinado efeito e, em circunstância diferente, é preciso usar outra até aparentemente antagônica para conseguir o mesmo efeito.
Para cada pessoa deverá ser feita uma sensibilização diferente, pois a cor deverá combinar com as cores dessa pessoa. Não há cor melhor ou pior, mais nobre ou menos nobre, o que pode haver é a cor errada para determinado momento.

Por exemplo: costuma-se catalogar o azul como uma cor calmante e quando um paciente se queixa de irritação, nervosismo, costuma-se pensar em alguma cor dentro dos tons de azul. Mas esse paciente pode estar muito desenergizado, tentando superar essa falta de energia e ficando irritado por não conseguir o desempenho que gostaria de ter. Nesse caso, sua necessidade poderia ser de uma cor energética como o vermelho ou o laranja, quando então se acalmaria.
O cromoterapeuta deve ter formação e visão holística e a sensibilidade desenvolvida para utilizar as cores da forma adequada, ativando as energias que estão deficitárias, ajudando na recuperação de células doentes e contribuindo na indução a melhores hábitos mentais que se traduzirão em melhoria da ação, dos hábitos e da conduta, levando à harmonização e à saúde integral.
Cada parte do nosso corpo esta estritamente relacionada com as cores do espectro, portanto, dependendo da moléstia, necessitamos tratar essa parte com sua cor vibracional correspondente. Por exemplo: diabetes usamos o amarelo por sua ação reativadora e renovadora.
Cromoterapia é um tratamento terapeutico baseado em cores que podem ajudar a curar moléstias que se apresentam em nosso corpo físico.
O ser humano e a natureza necessitam da luz do sol para viverem. Sem luz não há vida e dessa maneira, o homem e a natureza recebem a luz solar e esta se decompõe em sete raios principais que são distribuidos por todos os nossos corpos, físico e energético. Se houver desequilíbrio dessas cores, as doenças refletem-se no nosso corpo físico e adoecemos.
A Cromoterapia, através de suas cores energéticas, reestabiliza o equilíbrio do organismo, obtendo-se, portanto, a cura. No tratamento Cromoterápico, podemos utilizar várias técnicas como fonte de cura ou harmonização: luz do espectro solar, luz de lâmpadas coloridas, alimentação natural, mentalização das cores e ainda contato com a natureza. As técnicas descritas aqui, podem ser utilizadas no tratamento das moléstias conforme tabela (na opção “tratamento”).

Luz do Espectro Solar
Para essa técnica utilizamos um copo, garrafa, ou recipiente de vidro transparente, e neste, colocamos água potável, envolvendo-o com papel colorido (na cor recomendada conforme tabela de tratamento).
A exposição ao sol deverá ser de, no mínimo, 4 horas, para que a água possa ser carregada com a energia solar refletida pelo papel colorido.Deverá ser tomado dois copos de água carregada ao dia, sendo um pela manhã em jejum e o outro à noite antes de dormir. A duração desta técnica de tratamento extende-se até a melhora do sintoma.
Essa técnica também pode ser usada com óleo de amêndoas para massagens locais (apenas uso externo).

Luz de Lâmpadas Coloridas
Nessa técnica utilizamos um bastão com bocal para lâmpada, escolhemos uma lâmpada de 25Watts com a cor estabelecida na tabela de tratamento.
Aplicamos em movimentos circulares, sentido horário, numa distância de 5cm da pele. Essa exposição deve ser por um perído de 5 minutos, uma vez ao dia, até o desaparecimento dos sintomas.
– Aplicação da luz azul para problema muscular
– Aplicação de luz amarela para tratamento do fígado
– Luz azul no tratamento das articulações
– Luz verde para infecções
– Alimentação Natural
Como coadjuvante do tratamento, a alimentação natural tem sua devida importância na harmonização do nosso sistema. Para isso, devemos selecionar alimentos que têm sua cor relacionada com o seu tratamento Cromoterápico. Exemplo: se estiver tratando com a cor amarela, procurar ingerir mais alimentos com essa tonalidade.

Mentalização das Cores
Se você tiver uma certa facilidade em visualizar mentalmente as cores do espectro, poderá ser feita essa mentalização no respectivo local ou órgão pelo prazo de 30 segundos duas vezes ao dia.
Contato com a Natureza
Como nosso corpo físico está estritamente ligado ao nosso campo mental, faz-se necessário que esvaziemos a mente do estresse diário para tanto, o contado com a natureza é uma fonte benéfica para a tranquilização da mente e harmonização do corpo.
Vermelho: Ativador da circulação e sistema nervoso (não utilizado)
Rosa forte: Age como desobstruidor e cauterizador das veias, vasos e artérias e eliminador de impurezas no sangue
Rosa: Ativador, acelerador e eleminador de impurezas do sangue
Laranja: Energizador e eliminador de gorduras em áreas localizadas
Amarelo forte: Fortificante do corpo, age em tecidos internos
Amarelo: Reativador, desintegrador de cálculos, purificador do sistema e útil para a pele
Verde forte: anti-infeccioso, anti-séptico e regenerador
Verde: Energia de limpeza, vaso-dilatador e relaxante dos nervos
Azul forte: Lubrificante das juntas e articulações
Azul: Sedativo, analgésico, regenerador celular dos músculos, nervos, pele e aparelho circulatório
Índigo: Anestésico, coagulante e purificador da corrente sanguínea. Limpa as correntes psíquicas
Violeta: Sedativo dos nervos motores e sistema linfático, cauterizador das infecções e inflam

Read Full Post »

Older Posts »